Poema – [Poema sem Título]

Cultura - Nosso nome do meio_banner

[Poema sem título]

(Anônimo)

Iluminado por Regulus, pondero
Sobre como as luzes presas na terra
— vis imitações —
Tanto ofuscam a beleza das que pairam no firmamento;
Penso em quanto do intrínseco não foi esquecido
Diante de criações nossas
Que penam para alcançar o valor do essencial;
O sutil passa despercebido com sua beleza descomunal;

Apegamo-nos ao brilho artificial que produzimos
E nesse delírio feänoriano não nos damos a chance de contemplar
Pequenos espetáculos diários que cativariam o observador atento
Mas que, na prática,
Se notamos, é inconscientemente;

Quando encontra-se o tempo para contemplar
A inseparável natureza de Castor e Pólux
O brilho áureo de Betelgeuse
Ou mesmo o alvo de Sirius
Surge com estranheza o fato de que tal imensidão
Não seja foco das atenções com maior frequência;

É ao comtemplá-las e, mais ainda,
Ouvi-las,
Que percebe-se quão servil é viver
Vendado voluntariamente;
Deixas que a beleza de pequenos detalhes se percam
Em prol de uma ficção que nem te satisfaz.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s