POEMA – À deriva

Cultura - Nosso nome do meio_banner

À deriva

(Anônimo)

A poesia do teu corpo –
O teu olhar derramado sobre o meu,
A tua carne enlaçada à minha –
Entorna-se em mim
Com toda a tua grandiosidade oceânica;
Ondas de desejo se avolumam,
E quebram.

Quebram-me.

E recuam vagarosas,
Arrastando cada pedaço de mim,
Cada grão de areia.
Meu corpo, nu e indefeso,
Mergulha na tua profundeza,
Escura e misteriosa.

Minha carne incandescente
Evapora cada gota da tua poesia,
Na (vã) tentativa de livrar-me de ti.
Mas resta um rastro de sal.
Um resto do teu suor salgado,
Do teu mar.

(E em ti, espero,
Resta um pouco dos grãos
Que arrancaste de mim,
Quem sabe por vontade,
Por vaidade,
Ou por pura inocência).

Deste rastro de sal, contudo,
Surge um incêndio
Que me impele a naufragar em ti.
É do teu resto em mim
Que explode um desejo que beira a lascívia –
Ou, talvez, a loucura –
Que me faz transbordar em mim
E me perder em ti.

Em tua poesia,
Fluida e (in)constante,
Delicio-me e, enfim,
Afogo-me.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s