[POEMA] – Garota

 

espaco-culturaGarota

(A. Dunkelheit)

Garota, pare de criar seus próprios labirintos.
Eu sei que você só quer saber
De fugir pra sobreviver
Cadê seu sentido? Não tem nenhum.
É isso que busca? Então porque cria paredes
Ao invés de pontes?
Se prende a redes
Procurando o comum?

Garota, não adianta querer se vendar
Eu sei que você vê.
Você pode andar
Você pode correr!
Por que insiste em pisar em ovos? Por quê?

Tudo isso te machuca, eu sei.
Mas de quem é a liberdade?
De quem senta ou de quem sente?
Pra quem você mente?

Garota, o mundo não é seu
Mas você não é dele.
Deixe o controle para os limitados
Os quadrados para os estagnados.
Você nasceu pra girar!
Não deveria parar…

Garota… Não se odeie
Você é pequena demais pra carregar o mundo nas costas…
Você não tem as respostas…
Mas ninguém tem.
Somos pequenas partículas
Com egos ilusórios
Os pequenos se sentem grandes
Apenas por estarem limitados
E não conseguirem ver o infinito.

Nada… Imerge em sua imensidão.
Você pode ser pequena,
Mas é profunda…
Só espero que não se afunda.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s