[CRÔNICA] – Édipo

14691077_1786163431671959_885924647685914801_n

Édipo

(por Anoninus Anônimo)

Há dias em que pensamos que somos invencíveis. Hoje não é um desses dias. Hoje me sinto pior que derrotado. Me sinto imobilizado, descrente se sequer vale a pena entrar no jogo da vida. É certeza que vou morrer na praia.

Esse sentimento assusta. Tanto que não me atrevo permanecer nele. Divago superficialmente nessa possibilidade, sem mergulhar. Temo o que posso encontrar no fundo dessa verdade tão incômoda. Anestesiei a mim mesmo e, imóvel de alma, o fluxo me leva.

E com o fluxo vem o que deveria ser a vida.

Vem fraca, pálida, passiva. E minha alma, meu instinto se irrita com isso. O animal que sou quer sangue, vermelho e vivo correndo nas minhas veias, quer sêmen, quer prazer, quer perder o fôlego e não recuperá-lo mais. Mas o homem que também sou rescinde tudo isso. O homem que também sou sabe que isso tudo é baixo, irreal, não-arte. Ele apaga a chama do meu querer-viver e aceita a entropia.

Mas o homem é software, e o animal é hardware. Ele ruge, e o homem sofre. Como sofre. Sofre um sofrimento solitário, árduo, duro e imaterial, uma batalha de si contra si. Um banho de sangue sem-dono, frio, coagulado, que quase parava nas minhas veias, na minha mente e me imobilizava.

Não aguento mais esse sofrimento.

Quero morrer mas tenho medo. Quero deixar de ser homem e virar alma, música, arte, sem dor e sem memória. Será que tem como?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s